terça-feira, 30 de julho de 2013

Uma estaca.

Confesso que meus textos são melhores quando meu coração não está tão bem assim... Deve haver um tipo de equilíbrio. Se sinta mal, e seus textos serão bons. Se sinta bem, e seus textos não surtirão tanto efeito. É injusto? Sim, e como... Mas até que faz sentido. A dor faz tudo ficar mais... clichê? Será essa a palavra certa? Talvez. Confesso também que não sei exatamente como meu coração está pra ser colocado em palavras. Os textos funcionam como um “medidor da dor”. É sério... Façam uma comparação da qualidade do que foi escrito juntamente com o contexto e verão que o que falo faz sentido – pelo menos pra mim. Sabe o quê mais influencia? Música. Li na internet recentemente que é só mudar a música, que o humor também muda. Me vi naquela frase, me senti “musicopolar”. Quanto mais depressiva for a música, mais coisas fluem.
Sabe aquelas coisas que acontecem do nada, que você tem que registrar no exato momento, senão passam e você perde? Tipo um ângulo único pra uma fotografia, uma frase boa pra ajudar na composição de uma música, um abraço apertado em uma pessoa que você não vê com tanta frequência... Pois então, a inspiração – se é que posso chamar assim – vem exatamente dessa forma. Tem dias em que é preciso levantar da cama, pegar o primeiro pedaço de papel que encontrar e transferir seus pensamentos pra ele, independente de hora, lugar ou com quem você está.
Seria inocência e até mesmo um pouco de burrice querer depositar todo o dom da escrita das pessoas nos seus sentimentos, alguns simplesmente são o que são. Algumas pessoas nascem assim, dramáticas - aparentemente -, mas isso não significa que sejam. Sei lá, quando você pensa que sabe de algumas coisas, você acaba percebendo que na verdade não sabe nada. Quer pessoa mais perdida que eu? Quero tudo ao mesmo tempo, e em questão de segundos já não quero mais nada. Com isso, os textos acabam ficando sem uma base pra seguir. Cada um vem de uma forma, e confesso também que eu gosto disso.

Não acho que esse tenha sido um texto de confissões – até por que, eu teria que ficar aqui escrevendo por horas -, acho que voltei à estaca de escrever coisas sem sentido, sem roteiros e sem preocupações. Uma estaca que jamais me atrevo a chamar de zero, é uma estaca sem precedentes, sem antecedentes. Apenas uma estaca, a minha estaca.

- Hoje eu só quero que o dia termine bem...
       

Nenhum comentário:

Postar um comentário